21.11.2017

 No caso de fotografias oclusais é imprescindível a utilização de espelhos, que devem ser apoiados na arcada antagônica da que está sendo fotografada. O ideal, é que o espelho fique em um ângulo de 45 graus. Na oclusal superior o foco deve ser direcionado para os incisivos centrais, e depois, segurando o foco, faz-se o enquadramento. Como nas demais fotografias intra bucais, existem autores que preferem realizar a foto por traz do paciente, outros pela frente do paciente, que neste caso, deverá estar sentado no mocho, a frente do profissional e na mesma altura. As fotografias feitas por traz do paciente, deverão ser feitas com o paciente deitado na própria cadeira odontológica. Neste caso, como a foto é feita de "cabeça para baixo", a mesma deverá ser ajustada na edição. No caso da oclusal inferior, a fotografia é feita sempre a frente do paciente. Antes da colocação do espelho, deve-se adaptar os afastadores, solicitando que o próprio paciente segure os afastadores e puxe-os para o lado e para cima. Existem afastadores especiais para fotografias oclusais. Todas as fotos feitas com espelhos devem ser ajustadas para sua posição correta, já que fica invertida devido a imagem estar sendo refletida. 

Em fotografias laterais, nunca devemos usar apenas um afastador no lado que desejamos fotografar. Isto provoca um resultado estético desagradável. O paciente deve ficar ligeiramente inclinado. Colocar o afastador no lado que não está sendo fotografado. No lado que vai ser fotografado, utiliza-se o espelho como afastador, tomando-se o cuidado de deixar bem visível o corredor bucal refletido no espelho. O profissional se posiciona do outro lado e deve fazer o foco na imagem refletida pelo espelho. Outra maneira de se obter este tipo de fotografia é utilizando o afastador em U no lado oposto ao que vai ser fotografado e o afastador em V no lado fotografado. Fazer o foco direto, sem  uso do espelho.

17.09.2017

 Oclusão habitual

Este tipo de fotografia pode ser realizada com flash circular ou twin. É importante lembrar, que os flash circular pode proporcionar uma melhor iluminação do corredor bucal, devido ao posicionamento de suas lâmpadas em frente a lente. 

A fotografia pode ser executada com o paciente deitado na cadeira odontológica e o profissional se posicionando atrás do mesmo. neste caso, a linha de oclusão deve ficar perpendicular ao solo e a cabeça do paciente voltada para trás. Isto pode dar mais conforto para o profissional realizar a fotografia. Afinal, a lente utilizada, macro 100 ou 105 mm, dependendo da marca da câmera, é uma lente pesada e desconfortável para o profissional, quando se coloca em uma posição inadequada. Outros, preferem fazer a foto com o paciente sentado em um mocho, com a linha de oclusão paralela ao solo, e realizar a fotografia de frente, com o profissional também sentado em um mocho na mesma altura do paciente. Em ambos os casos, os afastadores devem ser segurados pelo paciente, que deve tracioná-los para os lados, e ligeiramente para cima, a fim de evitar o aparecimento do lábio superior. É importante lembrar que ao fotografar por trás do paciente, deitado na cadeira odontológica, a fotografia ficará invertida, portanto, será necessário ajustar posteriormente. As configurações são as tradicionais, o diafragma f 22 a 32, o foco pode ser feito nos incisivos centrais, fixar o foco e depois fazer o enquadramento. Caso apareça um pouco os afastadores ou o centro do lábio superior, deve-se fazer um corte durante a edição da foto.

21.08.2017

FOTOGRAFIA DE PERFIL

 Este tipo de fotografia é indicado para analisar a textura dos dentes e o perfil do paciente. A fotografia deve ser executada com o paciente ligeiramente de lado. Uma das tochas do flash twin deve ser deslocada e colocada do lado que  está sendo fotografado, preferencialmente usando mini rebatedores e a outra tocha. ligeiramente a frente, voltada para o lado  fotografado.

As tochas do flash podem ser seguras pelo próprio paciente, por um auxiliar ou através o uso de braços articulares. O foco deve ser feito nos incisivos centrais.

Para se obter um fundo escuro, no lado que não se deseja fotografar, o paciente pode ser colocado em uma área livre e não direcionar a luz do flash para esta região. A ausência de luz neste local provocará o fundo negro. É importante lembrar, que a luz artificial não é capaz de interferir a luz do flash, ao contrário da luz do sol que interfere e impede a obtenção do fundo negro usando este artifício de técnica. 

Para se obter um fundo branco, sem sombra, usa-se uma das tochas do flash com o mini rebatedor, próximo ao rosto do lado oposto ao fotografado. Neste caso, este flash deve ser configurado com uma intensidade menor do que a do flash principal. Alguns testes devem ser executados para se chegar a intensidade de luz adequada.

Claro, se houver condições, o uso do fundo branco ou negro poderá facilitar a execução deste tipo de fotografia.

03.04.2017

 Para fotografia de face no planejamento estético em odontologia, alguns cuidados devem ser tomados, tais como:

1- Deve-se enquadrar a face até o pescoço, ou até mesmo incluíndo parte do torax.

2- O fundo deve ser uniforme.

Pode-se se obter um fundo claro, bem branco, colocando uma fonte de luz em direção ao fundo branco, com auxílio de um rebatedor em um flash secundário. Outra opção, é colocar o paciente próximo e a frente de um negastoscópio grande, que tenha uma boa intensidade de luz.

Como as fotografias serão feitas em uma distância superior  as fotografias intra bucais, é possível trabalhar com diafragma mais aberto, sem prejudicar a profundidade de campo. A fotometria pode ser feita com ajuda de um fotômetro de mão, ou fazer testes antes da fotografia final, iniciando a partir de f11. Neste caso, a luz contínua pode ser usada, e o uso do tripé pode ajudar bastante. Se o profissional tiver um flash twin, o uso de minis softboxs ou mini rebatedores, podem determinar uma luz mais tênue e espalhada, provocando melhores resultados.

FOTOGRAFIA DO SORRISO

Para fotografia do sorriso, devido a maior aproximação do paciente, é necessário voltar as configurações com o diafragma bem fechado, f22 a f32. A fotografia do sorriso deve ser feita com o sorriso natural e sorriso forçado, para se fazer uma análise dos tamanhos dos dentes, posições, estado das gengivas e limites dos dentes. O Uso de mini softbox e mini rebatedores melhoram os resultados em relação a textura dos dentes e gengivas.

15.03.2017

DETALHES PRÁTICOS

 Para a fotografia macro, na Clínica Odontológica, alguns pequenos detalhes devem ser observados, a fim de  conseguir associar os resultados técnicos, com os estéticos. Da mesma maneira que deve ser feito para fotografias macro de pássaros ou outros pequenos objetos, em que a estética é importante. Em Odontologia, deve-se ter um protocolo, o qual, deve ser determinado pelo próprio profissional, e varia de acordo com sua necessidade e especialidade, conforme a mensagem que o Cirurgião Dentista deseja transmitir a outros, através de fotografias tradicionais ou artísticas, para um recurso didático em sala de aula, para ser adicionada em um livro ou artigo, e até mesmo, para uma documentação legal. Neste caso, para uma documentação legal, é importante que a fotografia seja feita em "Raw", assim poderá ser guardada indefinidamente sem que ocorra alterações em sucessivas cópias.  Fotografias em RAW apresentam arquivos  grandes e as fotos precisam ser editadas antes do uso. Após a edição pode ser salva em JPEG. As originais em RAW ficam arquivadas. Uma opção para quem não deseja editar é fazer a foto em RAW e JPEG. Um profissional  que deseja utilizar fotos para uma documentação legal ou apenas para uma comunicação com seu protético, deverá ter um protocolo diferente daquele que deseja utilizar as fotos para uso didático, ou escrever um artigo ou livro.

Como a cor sofre muita influência de pequenas modificações de luz e do próprio monitor que se está vendo a foto, é desaconselhável usar a fotografia para substituir a escala de cores  para determinar a cor do dente. Neste caso, a fotografia serve apenas como um apoio. A foto deve ser feita com o elemento da escala de cor previamente escolhido, próximo ao dente do paciente. Desta maneira, a fotografia se destaca para análise e comunicação com o protético, em relação a forma, textura e anatomia dos dentes, aspectos da gengiva, procedimentos didáticos e inclusive para documentação legal. No caso da escolha da cor, a fotografia serve como um apoio, ao lado da escala de cores.

Planejamento Estético

As fotografias básicas para planejamento estético são:

Fotografias de face, do sorriso natural e forçado, perfil dos dentes e face, e as intra bucais, como as fotografias em oclusão habitual, oclusais superior e inferior e laterais.

No caso de dúvidas utilize o email existente na página "sobre mim".

13.03.2017

 Para realização da macro fotografia existem diversos acessórios que contribuem para um melhor resultado, como espelhos, espelhos contrastes, afastadores, mini rebatedores e mini difusores.

Os espelhos podem ser de cristal ou metálicos. Embora os espelhos metálicos não tenham o risco de quebrar em uma queda, como os de cristal, tem a possibilidade de riscar mais facilmente. Desta maneira, qualquer que seja o tipo de espelho, deve ser manuseado cuidadosamente. São indicados para fotografias odontológicas oclusais e laterais, ou quando se deseja mostrar um trabalho estético nos dentes posteriores.

Os espelhos contrastes são placas pretas utilizadas para evidenciar um determinado trabalho, sem a interferência de outras áreas anatômicas. São indicados também para analisar a translucidez de um dente. Ao utilizar os espelhos contrastes em fotografias oclusais de maxila, deve-se evitar que a incidência de luz ocorra diretamente no contraste, para impedir que o mesmo apareça com aspecto cinza. A reflexão da luz deve ser para o interior da boca, por isso, o contraste deve ficar com cerca de 45 graus na boca. O contrates não deve aparecer.
Os afastadores, utilizados para deixar livre a área que se deseja fotografar, podem ser em forma de V ou de U. OS afastadores devem ser colocados cuidadosamente na boca do paciente, e devem ser seguros pelo próprio paciente, para lhe dar mais segurança e tranquilidade. Nos casos de fotografias oclusais de maxila, os afastadores devem ser tracionados para o lado e ligeiramente para cima. Deve-se ter o cuidado de solicitar que o paciente molhe os lábios antes de fazer qualquer movimentação, para evitar  se machucar.
Os mini rebatedores e mini difusores podem ser usados principalmente com o flash twin, possibilitando uma luz mais suave, e são fundamentais para se fazer fotografia da textura dos dentes, gengivas, ou de modelos protéticos. Também são muito úteis para fotografias artísticas. Nos flash circular a adaptação dos mini difusores e mini rebatedores é um pouco mais complexa.

11.03.2017

 Outro elemento importante na fotografia é a escolha do cartão de memória, onde serão gravadas as imagens. Embora existam vários tipos de cartões, atualmente, o cartão tipo SD passou a ser uma excelente e segura opção para câmeras fotográficas e filmadoras. Estes cartões, oferecem além da segurança, a velocidade de leitura suficiente para a execução de um trabalho fotográfico. Existem diferentes configurações dos cartões SD, por isso, é preciso conhecer suas características, que vão desde cartões mais simples, sem segurança e sem velocidade, até os que podem oferecer condições para um trabalho seguro. Ao adquirir um cartão SD, deve ser levado em conta as seguintes características:
1-Na parte superior, geralmente do lado esquerdo vem o número que indica a "velocidade de leitura" por mb/s. O cartão acima tem uma velocidade de leitura de 80 mb/s.  
2- Observe o número localizado na margem direita. O número 1 ( no cartão acima ) significa que é indicado para filmagens até em full HD. O número 3  é indicado para filmagens 4 K.

3- Ao lado, existe o número que indica a classe do cartão de memória. O máximo é "classe 10", como mostra a imagem acima. Não existe superior. Classe 10 influencia na  velocidade de leitura  e segurança em em relação a qualidade do cartão. 

4- A capacidade de armazenamento fica a escolha. O uso de 16 ou 8 GB são boas opções

5- Existem excelentes marcas comerciais disponíveis, como a SanDisk, Sony e outras
O ideal, é observar no manual da câmera, sua velocidade máxima de leitura. No entanto, mesmo em câmeras com velocidade de leitura menor, a segurança que estes cartões oferecem, para que não se percam imagens, compensa comprar com velocidade de leitura superior a que a câmera pode alcançar. Velocidades baixas podem indicar um cartão de menor segurança,

Nas fotografias odontológicas, que são feitas lentamente, pois existe o preparo do paciente entre uma foto e outra, o fator "velocidade de leitura" passa a ser de menor importância, ao contrário,  de sucessivas fotografias feitas em atividades esportivas. Porém, a segurança destes cartões, justificam seu uso. Na odontologia a velocidade de leitura se verifica na rapidez com que as imagens são gravadas no computador. 

05.03.2017

Outro equipamento  de grande importância para a macro fotografia é o flash. Afinal, a luz é a matéria prima da fotografia. 

Intensidade do flash

A intensidade da luz emitida pelo flash, é sempre maior que a luz utilizada normalmente em uma sala, inclusive, a que é proveniente do refletor de um consultório odontológico. Por isso, desde que se use um flash apropriado, a luz do refletor não é capaz de interferir na fotografia. No entanto, o flash com ledes tem demonstrado uma intensidade de luz insuficiente para se fotografar com diafragma f 22 ou f 32, em uma velocidade de 125. Portanto, é melhor usar o flash da própria marca da câmera. Outra opção é usar o flash de marcas consagradas, como a sigma, ou outro que seja compatível com as câmeras Nikon ou Canon. No caso da Sony, a sapata não aceita flash de outra marca, e os adaptadores deste flash para sapata da Sony, retira a função TTL ( automática ) do flash.

Tipos de Flash

Atualmente existem duas opções: O tradicional flash circular e o twin, que pode ser com fio ou wireless. Para escolher qual o flash usar, principalmente em Odontologia, o profissional deve procurar saber qual o seu objetivo. Qual a mensagem que deseja enviar. Como as fontes de luz do flash circular, ficam mais próximas, este flash é ideal para fotos intra bucais, por deixar o corredor bucal mais nítido, embora tenha o inconveniente da luz provocar um reflexo nos dentes anteriores, o que dificulta a obtenção da textura dos dentes ou gengiva, devido a luz incidir diretamente sobre os mesmos. O Flash twin, é composto de tochas separadas e mais afastadas do centro, o que provoca uma menor claridade no corredor bucal. No entanto, é muito bom para fotografias de face, modelos protéticos, ( ou pequenos objetos ), fotos de perfil em que se deseja textura dos dentes e também para fotos artísticas, dentro ou fora da Odontologia. Este flash, permite colocar a fonte de luz  em ângulos diferentes, o que permite colher diferentes resultados. Outra vantagem do Flash Twin, é que ele permite facilmente o uso de mini rebatedores e mini difusores, proporcionando uma luz mais suave e consequentemente melhores resultados fotográficos, principalmente em relação a textura, dos dentes e gengiva na Odontologia e em outros objetos fotografados durante a macro fotografia.

Existem tipos de adaptadores para fixar as lâmpadas do flash twin, chamados braços dual, que são flexíveis e possibilitam colocar as lâmpadas em distâncias diferentes, inclusive, bem na frente da lente,  mais próximas, mais fechadas, permitindo  usar o twin como se fosse um flash circular. É importante para quem trabalha sozinho, na odontologia, ou qualquer tipo de macro fotografia, para fixação da luz em pontos diferentes.

O flash deve ser usado no modo TTL, neste modo, o flash tem um controle automático de intensidade de luz necessária para a fotografia. Quando, mesmo usando a função TTL não se consegue a quantidade de luz adequada, o controle pode ser manual. Neste caso, esta variação de intensidade de luz vai de Menos 3 a mais 3 pontos.( É necessário ver  no manual da câmera os passos para o controle desta função ). Os adaptadores para sapata retiram a função TTL.

Em caso de dúvidas, utilize o email que se encontra na página "SOBRE MIM ". 

26.02.2017

 Para macro fotografia, em especial fotografias odontológicas, intra bucais, em que é necessário uma maior aproximação do paciente, e o fato de ser importante uma imagem o mais fiel possível, sem distorções, a lente, como já foi analisado em itens anteriores, deve ser fixa e com distância focal entre 90 a 135 mm. Embora, existem profissionais que conseguem excelentes fotografias com lentes de 60 mm de distância focal. Para se obter melhores resultados, não é adequado a lente zoom. Dentro desta faixa, a Nikon comercializa a lente macro com 105 mm, e as câmeras Canon e Sony  possuem as lentes macro de 100 mm. No caso da Nikon, a mesma lente pode ser usada tanto em câmeras APS-C como as fulframes. No caso da Canon, as lentes EF servem para os dois tipos de câmeras ( APS-C e Fulframe ) , enquanto as lentes EFS apenas para câmeras com fator de corte ( APS-C ). Como já foi analisado, para macro fotografias, principalmente fotografias odontológicas, não existem diferenças significativas o fato de ser fulframe ou APS-C. Estas lentes podem ter o VR ( ou IS na Canon), que significa  "Redutor de Vibração "ou "Estabilizador de Imagem", um detalhe muito importante para a fotografias de um modo geral. No entanto, nas macro fotografias, principalmente as odontológicas, que são feitas com flash, em uma velocidade muito rápida (125 ), o redutor de vibração não é importante. Nesta velocidade, é difícil a vibração e a foto sair tremida. No caso da Nikon, todas as lentes fixas, macro de 105 mm, já vem com o fator VR. Lentes da cânon e outras marcas podem não trazer esta função, e por isso podem ser mais baratas.

19.02.2017

A macro fotografia exige equipamento específico para obtenção de bons resultados, como: câmera, lente e flash.

A câmera  deve ser do tipo DSLR, que permite a adaptação da lente adequada para este tipo de fotografia. Esta câmera permite realizar as configurações específicas, como, abertura do diafragma e velocidade do obturador ideais, estudadas em postagens anteriores. Em Odontologia, as fotografias intra bucais necessitam na maioria das vezes uma boa profundidade de campo, para termos incisivos e molares bem focados, e devem ser feitas com uma velocidade de abertura do obturador, suficientemente rápida, para evitar que a foto fique tremida. Estas configurações ideais, não se conseguem com câmeras compactas ou celulares. Deste modo, deve-se lembrar que fotografias intra bucais devem ser feitas com Velocidade do obturador 125 e abertura do diafragma f 22 a f 32.

Em odontologia, não é importante se a câmera é fullframe (sensor 35mm) ou tem corte. (sensor menor).

Alternativas com câmeras compactas

É possível usar a câmera compacta, no entanto, é preciso estar ciente que os resultados não serão os mesmos obtidos com a DSLR. Para diminuir as restrições deste tipo de câmera,  deve-se colocar no tipo P, que representa um “semi automático” e configurar desta maneira: (Se a câmera permitir)

Modo de cor: Normal

Foco: Ponto

Equilíbrio dos brancos : Auto ou Flash

ISO: 100 ou 200

Qualidade da imagem: Fine

Flash: Menor intensidade

Opção Macro: Ligado para fotos intra orais e desligado para fotografia de face

Resolução : Máxima que a câmera permitir

Zoom digital: Desligado

Redução dos olhos vermelhos: Desligados.

Não é possível obter foco com a câmera muito próximo, por isso, a função macro (florzinha) deve ser ativada, e a câmera deve ser mantida entre 30 a 40 cm de distância. Para fotografia de face a função macro deve ser desativada e a distância deve ser um pouco mais de um metro.

A opção qualidade, deve ser assinalada a maior possível (menor compressão). Caso se deseje a foto de pequenos arquivos (áreas pequenas),  não se deve aproximar a câmera  e sim fazer a fotografia com o tamanho normal, (arquivo grande), e depois fazer o recorte na edição.

Nunca usar o zoom digital. Este aumenta a imagem e diminui a qualidade.

Como é impossível usar o flash tipo circular ou twin, e a opção de usar os iluminadores de LED nem sempre se traduz em bons resultados, deve-se usar o flash da câmera, fazer o ajuste, se possível, e manter a distância de 30 a 40 cm. Usar o zoom óptico.

Please reload

BLOG